Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

22/05/2018 - 11:01

Sao Luis: Nuvens Dispersas, 25 °C

200 milhões sofrem com impactos da mutilação genital feminina

200 milhões sofrem com impactos da mutilação genital feminina

Todos os anos em 6 de fevereiro, as Nações Unidas marcam o Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina. O procedimento envolve cortes na genitália sem que haja razão médica para tal e é reconhecido internacionalmente como uma violação de direitos humanos.

Cerca de 200 milhões de mulheres e de meninas foram submetidas à prática, comum em vários países. A enviada da ONU para a Juventude está na Gâmbia, onde falou no Fórum Internacional sobre Mutilação Genital Feminina.

Crianças

Jayathma Wickramanayake pediu a implementação eficaz de leis que garantam que a prática seja abandonada. Na Gâmbia, 56% das vítimas têm 14 anos ou menos.

Na Indonésia, cerca de metade das meninas de 11 anos ou até mais novas foram sujeitas à mutilação genital.

As Nações Unidas lembram que as vítimas têm vários de seus direitos violados, como o direito à saúde, à integridade física e o direito de estar livre de tortura e tratamentos cruéis ou desumanos.

Agenda 2030

A mutilação genital pode até causar a morte. Promover o fim da prática depende do diálogo com as comunidades, focando nos direitos humanos e na igualdade de gênero.

Duas agências da ONU lideram o maior programa global para o abandono da mutilação genital feminina. Juntos, o Fundo de População da ONU, Unfpa, e o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, trabalham em 17 países africanos para garantir que mulheres e meninas não sofram mais com o procedimento.

Com a assinatura dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, os países firmaram o compromisso de erradicar o procedimento até 2030. Essa meta faz parte do ODS 5, sobre igualdade de gênero, e envolve também o fim do casamento infantil.





 

 

 

 

Enquete

Você é a favor do Uber ou outros aplicativos de transporte em São Luís?:


E-mail:

greg