Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

22/01/2019 - 21:39

Sao Luis: Céu Limpo, 27 °C

Cinema: Capitã Marvel deve ter tom dos filmes de ação dos anos 90

Cinema: Capitã Marvel deve ter tom dos filmes de ação dos anos 90

Em uma das entrevistas liberadas pelo site Mashable, após o fim do embargo da divulgação das informações das visitas ao set de gravação de “Capitã Marvel”, o produtor Jonathan Schwartz (“Guardiões da Galáxia Vol. 2“) comentou sobre o que o público pode aguardar do novo filme do Marvel Studios:

“De muitas maneiras, é uma história clássica de origem da Marvel, mas contada de forma reversa, estruturalmente. Você a conhece como uma incrível heroína espacial super-poderosa e, em seguida, descobre quem é a humana por trás desse aspecto de si mesma.”

Com Brie Larson (“Castelo de Vidro“) no papel de Carol Danvers, a história é uma variação de uma fórmula testada e comprovada pelo estúdio. Essa jornada a leva do planeta Hala, onde ela está lutando, ao lado de soldados Kree, contra os Skrulls, para seu planeta natal na Terra, onde ela descobre que seu passado esquecido pode ser a chave para encerrar a guerra.

Apesar de toda essa intriga interestelar, Schwartz descreveu o tom de “Capitã Marvel” mais parecido com o “Capitão América: O Soldado Invernal” do que o dos filmes de “Guardiões da Galáxia“. Ele apontou que a obra terá a mesma pegada que outros filmes de ação da década de 90:

“É um filme de ação dos anos 90, como o ‘Robocop’, ‘O Exterminador do Futuro 2’ ou ‘O Vingador do Futuro’“.

Carol Danvers foi introduzida pela primeira vez nos nas HQs nos anos 60, como um interesse amoroso para Mar-Vell, o Capitão Marvel original, e ganhou seus poderes depois que outro Kree a sequestrou para usá-la contra ele. Não é exatamente a narrativa mais estimulante para uma mulher em 2019, e é por isso que o Mar-Vell dos cinemas (interpretado por Jude Law) e seu papel na vida de Carol foram atualizados para se adequarem aos tempos atuais – no filme, ele é o mentor de Carol, como comenta o produtor:

“É interessante ler esses livros através de uma lente moderna, porque certamente, eles estavam na ponta do feminismo da época. Mas lendo-os agora, como um leitor moderno, é tipo, uau. Você não pode fazer muito disso. Então, há muita homenagem e há muito respeito a esses primeiros dias, mas com um giro, nós achamos que os espectadores realmente vão gostar.”

De acordo com o co-diretor Ryan Fleck (“Parceiros de Jogo”), Carol não é tão diferente da própria Larson:

“Brie é a mulher mais poderosa do universo. Não, realmente, seu compromisso, sua dedicação, ela é tão feroz. Tudo o que ela faz é cem por cento, e é assim todos os dias, e estamos super inspirados e impressionados por ela.”

No longa, a Capitã Marvel tem uma melhor amiga chamada Maria Rambeau, uma colega piloto de caça, dos tempos em que Carol fazia parte da Força Aérea americana. É esse antigo vínculo que ajuda a Capitã a se reconectar com seu passado humano, já que ver Monica desencadeia algo nela Foi o que Lashana Lynch (“Brotherhood”), que interpreta Maria, confirmou:

“[Carol] tem esses lampejos do sentimento, penso eu, de ser ela mesma, ao ver sua amiga.”

Ao longo do caminho, Carol também encontrará alguns rostos que serão familiares para quem acompanha os filmes do Universo Cinematográfico da Marvel. Um deles é o jovem Nick Fury, interpretado por Samuel L. Jackson (“Vingadores: Guerra Infinita”), que comentou um pouco sobre a heroína:

“Quero dizer, os Vingadores estão com algumas chances realmente muito difíceis agora, como nós vimos durante ‘Guerra Infinita’. Então, agora sabemos que precisamos de algo tão poderoso quanto Thanos, e em algum momento, descobriremos o quão poderosa ela é e todas as coisas que ela é capaz. Ela é uma das poucas pessoas no universo Marvel que pode viajar no tempo.”

Anna Boden (“Parceiros de Jogo”), que é a primeira diretora feminina do UCM e que comanda a produção ao lado de Fleck, enfatizou que a Capitã Marvel não pode ser tudo para todos:

“Nós não estamos tentando fazer este filme sobre todas as mulheres, não podemos fazer isso em todas as jornadas das mulheres, mas apenas seremos realmente fiéis à jornada desta mulher.”

Na trama do próximo filme do Universo Cinematográfico da Marvel, que se passará na década de 90, Carol Danvers, uma piloto da Força Aérea já tem seus poderes, e deixou a vida na Terra para se juntar a uma elite militar Kree, chamada Starforce, liderada pelo comandante interpretado por Jude Law. Mas algo traz Carol de volta para a Terra, com perguntas sobre seu passado. Além disso, ela tem de lutar contra os Skrulls, criaturas capazes de mudar de forma.

O elenco do filme conta com Clark Gregg (da série “Agents of S.H.I.E.L.D”), Ben Mendelsohn (“Robin Hood – A Origem“), Ana Ayora (da série “Banshee”), Lee Pace e Djimon Hounsou (ambos de “Guardiões da Galáxia“). O roteiro é de Geneva Robertson-Dworet (“Tomb Rider: A Origem”) e a direção da dupla Ryan Fleck e Anna Boden.

“Capitã Marvel” tem estreia programada no Brasil para 7 de março de 2019.





Enquete

Você é a favor do Uber ou outros aplicativos de transporte em São Luís?:

 

E-mail:

greg