Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

20/09/2019 - 03:05

Sao Luis: Céu Limpo, 26 °C

Américas: 25 anos de eliminação da poliomielite

Américas: 25 anos de eliminação da poliomielite

Em 1994, a região das Américas foi a primeira no mundo a ser certificada como livre da pólio. Essa conquista dos anos 1990 é relevante neste momento em que há apenas dois países – Paquistão e Afeganistão – onde o poliovírus selvagem ainda circula (66 casos em 2019, a partir de 20 de agosto, segundo a Organização Mundial da Saúde). Hoje, apenas um dos três tipos de poliovírus selvagem permanece ativo, e o mundo está pronto para dizer adeus à poliomielite.

Em 24 e 25 de agosto de 1994, os renomados cientistas e especialistas independentes que faziam parte da Comissão Internacional para a Certificação da Erradicação da Poliomielite informaram oficialmente o então diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carlyle Guerra de Macedo, e, por meio dele, os Estados-membros da Organização, que a transmissão do poliovírus selvagem havia sido interrompida.

O anúncio do comitê independente, presidido por Frederick Robbins, foi resultado dos esforços de centenas de milhares de profissionais de saúde, epidemiologistas e equipes de laboratório.

O trabalho da equipe de imunização de OPAS/OMS, liderada na época por Ciro de Quadros, bem como a vontade política e os esforços de cada país envolvido, ajudaram a eliminar essa doença milenar e fizeram com que esta deixasse provocar mortes e incapacidade.

A cobertura vacinal em crianças com menos de 1 ano de idade passou de 25% em 1978 para mais de 80% em 1993. Pelo menos oito em dez crianças foram vacinadas e a imunidade de “rebanho” conferida pela vacina Sabin garantiu proteção coletiva. O poliovírus selvagem estava condenado à extinção.

PAS/OMS propôs para seus Estados-membros interromper a transmissão do poliovírus selvagem nas Américas. Por consenso, os países se comprometeram com a meta e promoveram a mobilização das populações e o envolvimento de parceiros estratégicos, igrejas e sociedades civis. Por sua vez, os organismos de cooperação e agências cooperantes redobraram seus esforços, fornecendo assistência técnica e mobilizando recursos para contribuir com os extraordinários esforços dos países da região.

Em agosto de 1994, após três anos sem nenhum caso nas Américas, e com base em dados obtidos por um sistema abrangente de vigilância envolvendo mais de 20 mil centros que notificavam casos semanais de paralisia flácida aguda e milhares de amostras de laboratório analisadas, a Comissão Internacional para a Certificação da Erradicação da Poliomielite, levando em conta as evidências conclusivas apresentadas pelas comissões nacionais de certificação, anunciou: “a poliomielite foi derrotada nas Américas!”.

Nenhum a mais

Em agosto de 1991, uma criança nascida nas montanhas do departamento de Junín, no Peru, foi a última vítima do poliovírus selvagem. Graças aos esforços colaborativos dos países, agências comprometidas com a vacinação e forte participação da comunidade, hoje as crianças nas Américas têm acesso garantido a vacinas gratuitas, seguras e de qualidade. Esses esforços combinados fizeram da vacina um bem social, com acesso universal e equitativo para todos.

Hoje, o legado dos anos 1980 e 1990 continua vivo, graças ao trabalho das novas gerações de profissionais de saúde.

Brasil

O Brasil recebeu o certificado de eliminação da pólio em 1994. O último caso de infecção pelo poliovírus selvagem no país ocorreu em 1989, na cidade de Souza, no estado da Paraíba. A estratégia adotada para a eliminação do vírus no país foi centrada na realização de campanhas de vacinação em massa com a vacina oral contra a pólio (VOP). Essa vacina propicia imunidade individual e aumenta a imunidade de grupo na população em geral, com a disseminação do poliovírus vacinal no meio ambiente, em um curto espaço de tempo.

Até que a poliomielite seja erradicada no mundo (como ocorreu com a varíola), existe o risco de um país ou continente ter casos importados e o vírus voltar a circular em seu território. Para evitar isso, é importante manter as taxas de cobertura vacinal altas e fazer vigilância constante, entre outras medidas.

No Brasil, o esquema vacinal do Calendário Nacional de Vacinação é composto por três doses da vacina inativada (VIP), aos dois, quatro e seis meses de idade, e dois reforços com vacina oral (VOP) aos 15 meses e aos 4 anos de idade.

Com ONU Brasil.

Foto: SES MG.





Enquete

Você é a favor da Reforma da Previdência?:

 

E-mail:

greg