Se seu navegador não suportar JavaScript. Algumas funcionalidades não serão exibidas, estamos trabalhando para disponibilizar mais breve possível as funcionalidades sem javascript.

suaCidade

São Luís

19/08/2019 - 15:11

Sao Luis: Pequenas Nuvens, 32 °C

Você tem momentos súbitos de sono? Cuidado, isso pode ser narcolepsia

Você tem momentos súbitos de sono? Cuidado, isso pode ser narcolepsia

À medida que corpo e mente manifestam sinais de cansaço após um exaustivo dia de atividades, o ideal é dormir em média oito horas por dia, visando repor as energias para a realização de novas funções, organizar a memória e eliminar a sensação de fadiga corporal.

No entanto, mesmo que a pessoa tenha dormido bem, pode estar sujeita à narcolepsia, caracterizada por ataques de sono diurnos e incontroláveis a qualquer momento e em situações inusitadas, como ao dirigir, durante uma reunião profissional ou até mesmo em pé dentro de um ônibus.

A narcolepsia é uma enfermidade degenerativa causada pela alteração de algumas células cerebrais responsáveis pelo sono REM (Movimento Rápido dos Olhos), na qual o indivíduo sofre ataques de sonolência diurna incontroláveis. Rara, a patologia registra um caso para 100 mil habitantes, porém, suas consequências são graves, podendo levar à morte.

Além do clássico sintoma do sono excessivo, o narcoléptico apresenta a cataplexia, caracterizada pela paralisia do sono (incapacidade de se mover, falar ou acordar quando está dormindo), associada às emoções intensas como sustos, risos ou surpresa. Alucinações e predisposição genética também podem ser indícios da doença. Segundo a Dra. Rosa Hara, a narcolepsia acontece porque o portador salta a etapa do sono normal e entra subitamente no sono REM.

O descontrole do sono é considerado grave pelos especialistas por conta das situações singulares em que o narcoléptico pode apresentar. Dirigir um veículo ou executar tarefas no ambiente de trabalho são riscos de acidentes iminentes, já que o portador perde o controle tanto do sono quanto dos afazeres, colocando em risco sua vida e a dos demais que convivem no mesmo ambiente.

Tratamento

Diagnosticar um portador é uma tarefa complexa, realizada por meio do exame de polissonografia, revisão do histórico médico e os principais sintomas apresentados pelo paciente. Uma vez constatada a narcolepsia, o tratamento deve ser seguido ao longo da vida. O acompanhamento inclui remédios que visam permitir ao paciente manter atividades cotidianas sem afetar sua vida pessoal.

Embora incurável, os portadores precisam adotar uma série de cuidados para que os colapsos sejam menos frequentes, a começar pela mudança no estilo de vida. Bebidas alcoólicas induzem o sono e, portanto, é necessário evitá-las. Assim, para facilitar o controle da sonolência, procure tirar cochilos programados, de 10 a 20 minutos por dia, e redobre os cuidados ao dirigir, pois, com o tratamento adequado e seguindo à risca as indicações médicas, os ataques tendem a ser mínimos e a vida novamente estabilizada.

 

Da Redação TV Cidade





Enquete

Você é a favor da Reforma da Previdência?:

 

E-mail:

greg